10 janeiro 2011

Ta cheio, moço!

Calor humano, adrenalina em cada curva, ansiedade, muita ansiedade. Não, isso não é descrição de uma corrida de F1, é de um ônibus num dia daqueles!

Faltavam aproximadamente dez minutos para as seis da tarde. Sol forte contra os reles mortais que esperavam no ponto de ônibus desprovido de qualquer coisa que pudesse fazer sombra. Esperávamos pelo bom e velho amarelinho, ou quem sabe um azulzinho em bom estado de conservação. Passava boi, passava boiada (leia-se bicicleta, carro e moto) e nada do ônibus. Só então escutamos um barulho familiar, um roncar do motor, e como que ensaiado, vasculhamos nossas roupas e bolsas a procura de dinheiro ou passe para ônibus. Para só depois notarmos os olhos curiosos de dentro do transporte, talvez nos fuzilando, condenando nossa ação.

Fomos passando, enroscando em cabelos, levando sacolas e bolsas, pisando no pé de um e de outro.  "Licença", "Desculpe", "Ai": coisas muito comuns de se ouvir numa ocasião como esta.
Não havia lugar para sentar, talvez nem queríamos. Quem já levou bolsada no rosto sabe como é bom sentar num ônibus lotado. Mais seguro, talvez, é esperar ansiosamente pelo seu ponto para saltar.

Primeira parada. A lei da inércia não nos atingiu como queria; era tanta gente que foi como se fossemos uma massa só, um grupão de lactobacilos vivos bem agarradinhos dentro de um potinho de Yakut.
De fora o pessoal parado no ponto de ônibus viu nosso olhar de súplica para que não atrevessem a se aproximar da porta, que, diga-se de passagem, havia uns três pendurados.

Segunda parada. Poucas pessoas haviam descido, e quem teve sorte foi se apertando mais para frente. Eu, como sou muito sortuda, fui parar perto de um cara que me lembrava muito o poster de Jogos Mortais 5.
Estava calor, muito calor. Entrava pouco vento pela janela, já que o ônibus, pesado como estava, não ia muito rápido. Mulheres cochichavam, homens demonstravam cansaço. Só queríamos chegar logo em casa.

Terceira parada. Quase chorando olhamos para as pessoas que ameaçavam entrar no ônibus. Então, lá de trás, um daqueles rapazes pendurados na porta de embarque dá seu grito da independência, seu golpe de misericórdia desferido ao motorista:

__Ta cheio, moço!


Por Prii.

3 comentários:

  1. Isso acontece todos os dias como estou de férias não estou aturando isso.

    Bjss

    ResponderExcluir
  2. Graças ao meu bom Deus. Não dependo mais desses tranportes desprovidos de qualquer conforto. Mas quando precisava, era uma loucuura!

    ResponderExcluir
  3. hahahaha (ri com carinha do 'Tá cheio, moço!'
    É bem assim mesmo. Detestável! :/

    ResponderExcluir

Faça a gente ficar feliz, deixe seu recado (:

Obs: Se tiver problemas para postar recados, clique em "visualizar" depois de escrever sua mensagem, e então clique em "postar".