08 setembro 2013

Bienal Online + Trecho de livro 11

Hoje é o último dia da Bienal Online :(
Tem sido momentos muito legais estar na companhia de vários autores brasileiros e poder conhecer o trabalho de cada um deles. No 11º dia você irá conhecer "Alecognição", uma aventura de suspense do autor Leo Vieira.




CAPÍTULO 1

    Em Construls, todos se reúnem para mais uma partida de horogamia, o jogo dos espíritos. Em diversas eras, eles tiveram êxito, sempre se divertindo. O planeta era selecionado, as efemérides expostas e todos determinavam o campo de atuação. Roubo, morte e destruição eram os objetivos básicos, porém tinha que ser realizado de forma sincronizada, engrenada e elegante, como uma orquestra, afinal, eles estão em grupo. No fim, são contabilizados os feitos e proezas e se determina o vencedor. Kalel sempre ficava no pódio ou ficava entre os primeiros colocados. Ele é muito estratégico e pensa pela equipe também. Sabe onde atuar e em todas as partidas que mestrava, sabia como reger as atuações e tirava tudo de letra. Nunca deixava a pontuação dos parceiros diminuir, quando estava por perto. Nessa partida, quis fazer diferente. Já estavam no ciclo da tecnologia nas galáxias dos planetas menores que sobrevivem com sóis amarelos. Esse campo do Universo é mais simples e não necessitava de tanta atenção. Por isso nesta partida, não quis mestrar e quis ficar só como oponente em meio ao grupo.
    Os cinquenta demônios se reuniram no novo Construls, com vista para várias galáxias, e também para a Via Láctea. Construls é um poliedro cristalizado e com refração indefinida, que também serve de camuflagem para não serem incomodados por outros espíritos. Possui oito lados, mas os lados indefinem para sete ou nove quando se aproxima matéria não reconhecida e esperada, como cometas e demônios que não são competidores. Dessa forma, Construls muda de rota sem interferir nos que estão competindo na horogamia. Os demônios atrasados, ao chegar a distância determinada, devem teleportar para dentro do poliedro porque todos os lados são fechados e não há passagens ou rotas de fuga.  Os anjos não interferem no jogo porque os demônios já foram vencidos e com isso possuem apenas um intervalo para sua recreação com o espaço.
    Kalel é alto e pálido. Tem nariz protuberante e testa alta. Longos cabelos dourados e olhos negros e sem brilho. Em uma mesa redonda de cristal foi colocado a efeméride, o tabuleiro da horogamia, desenrolado  os pergaminhos principais e espalhados os prismas com os códigos e as peças do tabuleiro.  Desta vez, Kalel quis raciocinar como um jogador comum e deixar a partida correr normalmente. Todos os demais foram se agrupando e ocupando seus lugares. Sharkara, a bela demônio cantora com cabelos cor de mel e cintura de pilão, capaz de tirar a atenção de qualquer criatura vivente; Apuh, o demônio indígena que domina os mistérios das naturezas interplanetárias;  Jordi, o corcunda medroso; Manthos, o demônio-caveira que guarda o material da horogamia; Moloca, a demônio-vaca nanica e mau-humorada que vive reclamando; Amono, o demônio-carneiro com seu machado e serpentes a volta; Baste, a demônio-gata, Sammael, o demônio-serpente,  Fauno, o demônio-bode e bajulador de Sammael; Asmode, a demônio da sedução de cabelo roxo; Balaon, o capitalista de cabelo longo azul; Hershell, a sereiazinha ruiva; Eurônimo, o príncipe da morte; Buphamat, o demônio-boi com seu martelo; Lecion, o barrigudo e bigodudo bajulador de Buphamat; Supai, o demônio indígena; Apollo, o demônio do espelho;  Belzeb, o demônio-mosca; Damballa e Mandalla, as serpentes gêmeas e siamesas; Astaroth, a demônio das ilusões; Mania, a demônio rainha do sol; Oloron, o velho demônio zelador  das galáxias; Pierron, o demônio- palhaço macabro; Beemote, o demônio-elefante; Hariman, o demônio-árvore; Salix, a demônio-bruxa; Abadun, Shivan e Plutão, os demônios do abismo; Hecatis, a demônio do abismo com o seu cérberus; Mardok, o devorador de sonhos; Nergol, o trapaceiro; Yamma, o corvo oriental; Sekmeh, a demônio-gestante grávida do ódio e gerando a vingança; Olga Marina, a demônio aquática, que também domina ciências botânicas; Joci Kerak, o demônio das artes; Lord Kalvec, o demônio-bruxo; Mantro, o demônio sem boca; Azazel, a demônio alta, instrutora de guerra e beleza, que irá mestrar a partida pela primeira vez; Sete, o demônio de baixa estatura que monitorará o tempo da horogamia com o prisma-cronômetro; e os oito mentores que auxiliarão os competidores em dúvidas durante a partida: Ganímedes, Calixto, Caronte, Phobos, Deimos, Mankar, Arkab e Kaitos.
      Os oito mentores se posicionaram a volta dos quarenta competidores. Azazel preparou os pergaminhos necessários para dar as primeiras ordens de partida da horogamia. Sete preparou para ajustar o prima-cronômetro. Todos estavam compenetrados na partida, menos Kalel, que desta vez ficaria mais relaxado como um competidor comum. Azazel estava fazendo as últimas leituras porque também iria entrar na horogamia e Sete estava atento esperando a primeira ordem. Um filete de luz passou por Construls, mas não despertou atenção de ninguém, somente um olhar rápido de Mantro.





       Azazel deu a partida e Sete acionou o tempo no seu prisma. Todos se aprumaram na mesa de cristal. Azazel jogou os quatro poliedros de dez lados que giraram pela efeméride. O prisma neutro decodificou a mensagem e enquanto Azazel lia, Kalel observava rápido cada oponente. Os oito mentores observavam atentos ao andamento da horogamia. Um novo filete de luz atravessa novamente Construls, agora deixando um rastro maior. Mantro levanta uma sobrancelha pensativo e volta para a horogamia. A Terra será atacada desta vez de forma mais pessoal e as almas devem ser persuadidas de forma mais agressiva. Todos ficaram animados com o desafio. Mantro volta a olhar para o espaço pensando naquele último filete de luz. Pensou se não podia ter sido o mesmo do primeiro. Despertou de seus pensamentos sob o olhar de reprovação de Ganímedes, o primeiro mentor e voltou a horogamia.
      Os quarenta e dois demônios envolvidos ficaram satisfeitos com as missões estabelecidas. Logo todos participariam e entrariam em ação, inclusive os oito mentores em pé, que estavam rodeando-os. Um discreto brilho surge no espaço. Mantro percebe, mas ignora porque não quer ouvir uma bronca e até ser suspenso da partida. A estrelinha vai apontando no espaço e o brilho aumenta, mas é ignorado pelos demais, que já começaram a perceber.
      Mantro deixa o longo cabelo preto escorrido descer pelo rosto para não perder a atenção para a estrelinha fulgurante apontada no céu. Ele tem uma maquiagem branca com uma boca desenhada a batom preto. Não possui o dom da fala para que os demais sentidos sejam priorizados, porém não pode se comunicar a não ser por gestos. Poderão todos atacar o lado capitalista da população através de seitas. Todos ficaram sorridentes planejando os meios de ataque. Mantro finge que arruma o cabelo para observar a ameaçadora estrelinha.
 - Quero ser cantora! Serei deslumbrante, estonteante e vou desviar muitos com mensagem subliminar!- diz Sharkara  fazendo pose sobre a mesa.
- Quero atormentar mentes e criar uma onda de depressão maior do que em eras passadas.- diz Asmode
- Pra isso, é bom que eu domine as mentes dos principais líderes em potencial.- diz Eurônimo, o príncipe da morte.
- Nós podemos trabalhar em conjunto. Eu sei criar empresas e já sei uma boa área de atuação.- diz Balaon, tocando em Asmode e Eurônimo.
Buphamat, o demônio-boi com asas de borboleta e corpo esguio, desenrola um pequeno pergaminho para Azazel.
- Terei êxito novamente se me der o mesmo espaço. Agora eu tenho mais propostas de seitas para se aliar com a minha.- diz Buphamat, confiante
- Ele tem razão!- afirma o sorridente e bajulador, Lecion.
Apollo percebe uma refração no seu espelho na mesa e observa a estrela atrás dele através do reflexo. Ele olha para Mantro que concorda confirmando que é estranho essa luminosidade.
- Temos agora dezoito seitas que podem se infiltrar nas religiões já conhecidas naquele povo.- diz Belzeb, o demônio-mosca, que já havia lido as propostas de ataque de Buphamat, o competidor quase tão bom quanto Kalel.- O povo da Terra é muito submisso ao desconhecido  e flexível ao medo. Dá pra agir de olhos fechados.
- Isso é o que você pensa.- diz Kalel.- Nessa altura da efeméride, o povo está mais esperto quanto a libertação espiritual.
- Mas eu consigo persuadir muita gente.- diz Ashtaroth, a deusa loura ilusionista.- Agora eu penso no campo ufólogo.
- A maternidade ainda é um forte objeto de culto.- diz Mania, a deusa com um sol no alto da cabeça.- Verá como eu consigo me adaptar em todos os povos.
- Faça o povo me dar atenção e todas aquelas almas estarão no abismo em pouco tempo.- diz o velho Oloron para Azazel.
- Eu tenho o meu plano também. Peixe morre pela boca.- diz o demônio-elefante Beemot. É só consagrar a comida da região e o povo estará digerido no abismo.
-  Quero criar uma cidade fantasma.- diz Manthos.- Mas com o povo dentro, para criar pânico e terror. O povo não raciocina direito em desespero e jogará ao vento toda a sua fé e crença.
- Se eu consumir os sonhos de um povo, em pouco tempo todos mergulharão na insanidade e desejo de suicídio. Deu certo naquele ciclo.- diz Mardok.
- Podemos usar os métodos em ordem.- diz Nergol, sarcástico.
- Olha quem fala?- ironiza o corvo oriental Yamma.- O maior trapaceiro da horogamia.
- Sou estratégico!- afirma Nergol, de forma séria.
- Desta vez tem que valer os ataques em equipe.- diz Hariman, o demônio com pele grossa e áspera, parecendo árvore.- Elaborei um ataque muito bom junto com Sammael e Salix.
- E comigo também!- diz o bajulador de Sammael, Fausto.
     A estrela aumenta de tamanho e começa a preocupar mais alguns.
- Eu quero ficar com o subterrâneo da cidade escolhida.- diz Abadun, entregando o pergaminho fechado a mestra da partida, Azazel.
Alguns participantes começam a observar a estrela pensativos.
- O meu bebê vai gerar muito caos na cidade escolhida.- diz Sekmeh, acariciando a protuberância na barriga.
     A estrela aumenta, se transformando numa bolinha fulgurante.
- Azazel; comece a coordenar as formas de ataque.- diz Lorde Kalvek, entregando o seu pergaminho de organograma bélico fechado.-  O pessoal já está se dispersando nas idéias.- disse observando a falta de atenção da metade.
- É que esse corpo celestial está aumentando nessa direção.- diz Apollo com o espelho na mão e olhando pra trás.- Nunca vi nada igual.- resmunga
- Deixa isso pra lá e vamos terminar com isso- fala Kalel olhando para Azazel, consentindo a idéia do veterano.
- Muito bem- diz Azazel observando os pergaminhos fechados.- Eu gostei de todos os projetos. Podemos começar com a Olga Marina semeando os territórios.
- Sem catalogar o espaço antes?- questiona Kalel.- Por favor, Azazel; seja centrada.
- Kalel, esse planeta é tropical. Podemos fazer dessa forma e também é uma chance de mostrar uma estratégia diferente.- afirma Azazel, segura de suas decisões.
- Eu já mestrei várias partidas, e nenhuma delas devemos baixar a guarda com uma intimidação botânica.- Diz Kalel enquanto os mentores se entreolham ao ver a bola de luz aumentando.- Se uma efeméride fica exposta, desandará toda a ação no futuro, como um fio que se solta do tecido.
- Ou uma bolha de luz se voltando para nós.- diz Jordi, o corcunda medroso observando o espaço.
- Qual é a sua, medroso?- pergunta Kalel a Jordi, perdendo a paciência.
- Eu posso não ter tanta coragem, mas sei identificar o perigo muito bem.- responde Jordi.- Se for o que eu tenho quase certeza, vamos presenciar algo catastrófico.
- Ih, lá vem ele com seus sermões desencorajadores...- diz Sharkara, revirando os olhos.
- Eu sei o que estou falando e isso vindo pra nós é um ataque!- diz Jordi, se levantando e se aproximando do painel cristalizado de Construls.
- Se você está com medo, pode ir embora.- diz Manthos. Não precisamos de medrosos para nossa missão.
- Você não sabe como funciona ataque de bolha ectoplasmática. Se fosse uma visita, não ficaria evidente e se materializaria aqui com a gente. Não temos ninguém mais pra receber aqui. Anjos não interfeririam nesse tempo. A aproximação está evidente demais pra ser erro de rota. Quem está vindo aqui é mais perigoso do que se possa imaginar.- diz Jordi.
- E quem você acha que seja?- pergunta Kalel, com desdém.
Jordi fica sério em silêncio. Não tem coragem nem de palpitar.
- Vamos voltar a horogamia. – convida Kalel.
     Azazel abre o pergaminho de ação e posiciona os prismas nos mapas. Todos ignoram a bolha luminosa e Jordi continua a observar e pensar no que seria aquilo. Talvez a bolha reduziria de tamanho novamente, mas com esforço não conseguia pensar em outra situação. Aquilo não era nenhuma alteração luminosa, e sim um  ataque violento. Jordi recebeu o seu pergaminho de Azazel e abriu sem vontade, ainda pensando na bolha luminosa. Ficou pensando no que poderia causar uma catástrofe dessas.
- Pessoal, eu acho que o Jordi tem razão.- diz Apollo observando a bolha luminosa pelo espelho.-  Se ignorarmos por mais tempo, a próxima estratégia será a de como escapar desse ataque.
- Ou de como sobreviver depois dele.- diz Mardok, o devorador de sonhos.
- Vocês dois querem ficar de fora junto com Jordi, não é?- ameaça Kalel.- Serão os decaídos dos decaídos!
- Querido; realmente essa bolha está nos incomodando.- diz Sharkara segurando o antebraço de Kalel.
     Kalel se aproxima do painel cristalizado e observa novamente a bolha que começa a aumentar lentamente o tamanho. Todos ficam atentos ao que irá dizer o experiente demônio. A horogamia já deixou de ter importância no momento. Kalel se convence de que aquilo é um ataque, mas não sabe ainda porque. Precisa passar motivação para a equipe.
- Já presenciei coisas piores!- disfarça Kalel.- Vamos designar as missões logo e dar o fora daqui.
- Isso ai!- Disseram alguns, quase ao mesmo tempo.
      A bolha aumenta mais e Construls começa a tremer. Todos se entreolham e Jordi entra em pânico:
- Eu não disse?!- Isso vai nos lançar pro mais tenebroso dos abismos!- grita com pavor.
- Aí, gente! Dá pra ver o que tem dentro.- diz Apollo, observando o espelho.
- Não é um dos nossos.- diz Buphamat.
- Nem é ataque divino...- murmura Sammael.
- É mais imprevisível.- diz Jordi.
    Kalel observa já descobrindo o que é. Kalel volta às pressas para os pergaminhos e começa a desenrolar fazendo bagunça e revisões rápidas.
- O que acontecerá se uma efeméride ficar exposta?- pergunta Buphamat, já sabendo a resposta.
- Desandará toda a ação no...futuro!- responde lentamente Kalel, demonstrando um princípio de desespero.
- Então se a Azazel deu já partida na horogamia com a ação errada, já comprometeu o percurso e nós já perdemos.- afirma Sammael.
- E o que é pior!- diz Buphamat.- O peão descobriu a efeméride errada no futuro e está voltando pro início do jogo.
- Ele vai destruir a partida?- pergunta Manthos.
- Isso é o de menos.- diz Euronômio.- Ele vai destruir Construls com o que estiver nele.
- Vamos sair logo daqui! – grita Jordi, abrindo as asas guardadas em sua corcunda e criando a bolha, teleportando pra fora de Construls.
- Viu o que você fez?!!- Vocifera Kalel para Azazel.
   Pela bolha, Já dava pra ver a fisionomia do terrorista espacial. Tinha feições humanas e aparentava ser de poucas palavras. Demonstrava já ter sofrido demais e sabia muito bem o que iria fazer.
   Jordi volta teleportado para dentro de Construls.
- Não consigo mais me distanciar daqui! Esse combatente sabe exatamente tudo do que está fazendo! diz Jordi, apavorado.
- Ele não vai destruir a gente, nem a horogamia.- diz Kalel.
- Como pode garantir isso?- pergunta Azazel.
- Não questiona e concordem comigo, todos vocês.- diz Kalel entre os dentes.
- Eu não estou entendendo.- diz Azazel.
- Qual a estratégia agora?- pergunta Sharkara.
- Não questionar e observar o ataque...- diz lentamente Kalel a todos.
     Todos obedecem e Kalel chama Buphamat e Amono e indica os pergaminhos e a efeméride da horogamia para eles.
- Ele se parece com você.- diz Apollo ao Jordi.
- Parece que a horogamia vai acabar antes de começar.- diz Jordi.
     Azazel olha pra trás e se surpreende com a ação de Buphamat e Amono.
- O que vocês vão fazer!! Querem destruir o material??- pergunta Azazel, aos gritos.
- De novo, Azazel?!?! Grita Kalel.- Essa era a única maneira de nos libertarmos desse ataque. Agora a idéia está explícita na efeméride dele e não poderemos mais escapar!
- Ele deve destruir a horogamia.- palpita Azazel, já convencida.
- Não!- diz Kalel.- Ele vai tomar a horogamia e nós seremos os peões! Ele vai pagar na mesma moeda, já que tem o controle das efemérides agora.
    O clima fica tenso em Construls e todos ficam pensativos sobre como será agora. Será um fim ou um novo começo? Como será esse ataque? Kalel, em vão, raciocinava em outra alternativa para tentar despistar esse ataque, mas já era tarde. Qualquer coisa que fosse pensar, já estaria impresso nas efemérides em poder do combatente.
   E finalmente a bolha se choca com Construls. O impacto despedaça completamente o poliedro. Um impacto silencioso, como vidro se partindo com seu som abafado. Os dois filetes de luz presenciados por Mantro era realmente o mesmo ataque da bolha, porém, não havia encontrado o alvo, porque os lados mudavam de posição, servindo de repelente de luz também. Foi calculado a velocidade ideal e pra não interferir no posicionamento da refração do poliedro e com isso, Construls ficou imóvel e o atacante ganhou tempo suficiente para acabar com a festa dos demônios e o mal foi cortado pela raiz.
   O combatente observa o resultado do seu ataque. Pedaços e cacos do poliedro espalhados, junto com destroços e carcaça dos pergaminhos.  Alguns demônios estavam desacordados no chão. Muitos desapareceram, ou conseguiram escapar. Caberá ao novo herói saber agora.
   Kalel levanta o rosto e observa o audacioso herói. Tinha feições humanas e lembrava o medroso Jordi. Será um filho dele que veio do futuro? Alto, magro, esguio, pele pálida, nariz fino, parecendo ponta de flecha, testa alta, cabelo dourado, meio bagunçado, talvez por conta do esforço no espaço. O herói abaixa o rosto e o observa também:
- Parabéns!- congratula Kalel, de forma sarcástica.- Acabou com a nossa brincadeira. Ou pensa que acabou.- começa a rir e sente dor nas costelas.
- A brincadeira está só começando.- diz o herói, que vestia um conjunto azul simples, como um uniforme.- Para ter êxito, devemos ir primeiro no conduíte e depois é só secar os pingos.
  Kalel fica sério enquanto o herói pega alguns fragmentos do que sobrou do ataque. Kalel fica pensativo no que acontecerá, agora que o controle está com o jovem guerreiro. Ficou pensando na idéia de tomar a efeméride dele, no meio do tempo, já que estará preso. Relaxou e pensou na competição, agora com novo mestre.
   O herói se posiciona, abre as asas e cria uma nova bolha. E num novo raio, voa direto de volta para a Via Láctea. Onde começará ou recomeçará as novas aventuras.

3 comentários:

  1. tem uma tag pra você lá no meu blog! Abraços
    att
    Angela Lira
    http://ahistoriadejulia2.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi.
    Seu blog foi indicado para a Tag Marido Literário.
    http://denisecostabeliato.blogspot.com.br/2013/09/tag-marido-literario.html

    ResponderExcluir
  3. Que belíssimo post. Estou encantada.
    Que as bençãos do Senhor estejam presentes em sua vida com a mesma naturalidades que a chuva cai ! Voltarei aqui mais vezes ! {:
    beijinns, a paz de Christ ! {:

    - http://girls-of-christ.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Faça a gente ficar feliz, deixe seu recado (:

Obs: Se tiver problemas para postar recados, clique em "visualizar" depois de escrever sua mensagem, e então clique em "postar".